27.2.11

Tradução: GUITAR BOOK - Entrevista com Uruha e Aoi (Parte 1)



A Luna traduziu uma parte da entrevista com o Uruha e o Aoi que saiu no GUITAR BOOK. Quando as demais partes forem traduzidas pela Luna, eu posto aqui pra vocês.

Leia abaixo:

-----

GUITAR BOOK - Entrevista com Uruha e Aoi (Parte 1)

Tradução Japonês-Português: Luna (@thegazette_mars) para a BEST FRIENDS

Nota da tradutora: Algumas frases foram levemente modificadas na hora de traduzir, para que fizessem sentido no Português. Explicações estão entre [ ].

-----

Qual foi a impressão que tiveram um do outro na primeira vez que se encontraram?

Aoi: Como foi...? A primeira vez que nos encontramos foi em uma casa de shows, não é?

Uruha: É. Nossa banda e a do Aoi apareceram juntas no livestation do Meguru. Naquele dia eu havia esquecido meu Wireless* e o Aoi me emprestou o dele.

[N/T: O Wireless o qual o Uruha cita é o aparelho que se usa na guitarra para não precisar conectar o instrumento à caixa de som por um cabo.]

Aoi: É mesmo. Falei algo como “Se der tudo certo, foi porque estava com o meu wireless” (risos).


Uruha: Os staffs da banda estavam junto e eu acho que eles não queriam que ele emprestasse (a wireless). Naquele momento, nós não sonhávamos que um dia, juntos, seríamos uma banda.

Aoi:Naquele momento, apenas eles (Uruha, Ruki e Reita) estavam na banda. Eles foram à casa do baterista convidá-lo também. [Se por um acaso alguém que estiver lendo não souber, Aoi e Yune, o primeiro baterista do the GazettE, faziam parte da mesma banda antes de entrarem no Gazette.] Pegar o baterista, emprestar a wireless... O Uruha vinha se tornando alguém que roubava minhas coisas (risos). Então, depois disso começamos a tocar juntos no the GazettE. O pessoal se encontrou na véspera de Ano Novo, ne?

Uruha: Sim. Todos os membros se encontraram. Por que nos encontramos na véspera do Ano Novo? Queríamos resolver logo os membros. Mas naquela época éramos totalmente formais um com o outro.

Aoi: É. O que mais me lembro foi que o Uruha perguntou: “Qual o melhor? O lado esquerdo ou direito do palco?”. Eu ficaria bem em qualquer um, então respondi “Qualquer um está bom”. Então o Uruha disse que queria ficar no lado direito.

Para os dois foi a primeira vez que tocaram guitarra em dupla, certo?

Aoi: Para mim foi a primeira vez. Quando eu estava no colegial toquei em uma banda de dois guitarristas, mas depois disso era somente com uma guitarra. Para falar a verdade, foram duas vezes que eu toquei com guitarra dupla... Porém no the GazettE era a primeira vez que eu tocava em uma banda séria com "guitarras gêmeas".

Uruha: Eu acho que apenas uma guitarra é insuficiente. Na época em que eu tocava em uma banda de uma só guitarra era ruim, eu achava que “guitarras gêmeas” era o melhor.

Respectivamente, como foi a primeira impressão para cada guitarrista? 

Uruha: Antes de entrarmos juntos no estúdio, assisti vídeos dos lives do Aoi algumas vezes. Ele parecia tocar muito bem. Eu pensei que ele era uma pessoa que tocava muito rápido.

Aoi: Bem, não sou. (risos)

Uruha: Tive a impressão de que era um bom metaleiro. No som distorcido ele tocava o 'riff mudo' [??? Não sei oq ue é riff mudo].

Aoi: Foi essa a primeira impressão?

Uruha: Sim (risos). Era diferente do meu estilo, por isso eu pensava "Como vou combinar...? Como vamos fazer para combinar?". Eu lembro que estava bem nervoso. Mas mesmo assim tentamos ter uma banda juntos e a propósito, não cometemos nenhum grande erro.

Aoi: Bem se eu tivesse escutado a fonte do som do demo do the GazettE, eu basicamente teria cortado uma parte, pois eu acho que ficaria melhor para combinar [Combinar as guitarras, no caso. Parece que ele quis dizer que se tivesse feito parte da construção da demo, ele teria cortado uma parte]. Eu estava encantado com o demo, por isso naquele momento não conseguiria cortar nada. Mas ainda assim me sentia levemente incomodado [Pois era difícil combinar as guitarras. Como ele havia dito antes, teria cortado uma parte, pois ficaria mais fácil de combinar]. A impressão que tive do Uruha foi algo como uma "frase" [de guitarra] que ele estava construindo. Hoje ainda é assim, mas confesso que é ainda mais delicado. Ainda é extremamente complicado tocar (risos). Os obstáculos do the GazettE foram grandes... (risos). Por isso estávamos sempre treinando. Mas, parece que deu certo (sorriso). Eu acho que as músicas daquela época ainda são difíceis de serem tocadas.

Uruha: Penso por que eu estava fazendo coisas tão incompreensíveis (risos) [N/T: O Uruha se refere a “incompreensível”, o fato de que no começo estava tocando sozinho guitarra, mesmo achando que somente uma era insuficiente.]. No começo o the GazettE era uma banda de um só guitarrista, já fomos assim também, né. Agora somos “guitarras gêmeas”, duas guitarras que construíram uma frase, que tocam reciprocamente e fizeram um conjunto preciso. Por isso sou muito agradecido pelo Aoi ter tentado e reproduzido fielmente o demo, né. Não rejeitar aproximação que eu havia considerado foi algo muito bom.

Ah então isso quer dizer que a entrada do Aoi-san no the GazettE mudou o estilo da banda?

Aoi: Mudou completamente. O estilo de tocar e o som também mudaram completamente. Como eu disse antes, foi porque eu entrei a partir do primeiro ensaio. De certa forma, parecia que estava começando do zero mesmo (sorriso).

Fora as melodias que o Uruha-san fazia, de que forma eram feitas as partes da guitarra das músicas?

Uruha: Bem, no começo eu fazia principalmente as músicas do Ruki. O Ruki trazia as músicas e eu pensava muito sobre a parte da guitarra. Apesar de que quando falava, ele não especificava o significado, então eu sugeria com percepção: "O que você acha disso?"

Aoi: No começo eu entregava aos cuidados do Uruha, pois eu quase não tinha conhecimento do tipo de música do the GazettE. Além disso, a aproximação das guitarras que o Uruha vinha produzindo era uma grande novidade. "O que é isso? Me ensine, me ensine!" era essa a sensação que parecia.

Uruha: O que me lembra que você levou um Rack Case para a minha casa, né (risos). Parece que você falou "O que faço com esses equipamentos?". Minha casa então se transformou no local onde checávamos os equipamentos e o som. O Aoi levou à minha casa um rack enorme que parecia uma geladeira (risos).

Aoi: É porque era a casa dos pais do Uruha, né (risos).

Uruha: É (risos). Aquilo [O Rack Case] fazia algo como um estalo (risos). Fazia muito disso (risos)

Aoi: O Uruha estava usando um Mesa Boogie, né? (risos)

Uruha: Era esse..? Mas eu acho que a guitarra era uma Horizon da ESP...

Estava usando um Mesa Boogie significa que o Uruha-san estava produzindo o som que utiliza a distorção do amplificador?

Uruha: Não. Eu utilizava também um efetor. Por eu colocar o output do multiefetor no amplificador sem alterá-lo, a função do Mesa Boogie se transformou na de amplificador. Basicamente, usava um "clean channel" e quase não usava a boa distorção do Mesa Boogie. Não é o significado... Parece (risos). Bastante profano (risos).

So, é mesmo né (risos). Mas vocês discutiam como iriam tocar? No começo o Uruha-san havia se tornado a parte principal que fazia o arranjo da guitarra, né?

Aoi: É mesmo, né. Mas agora penso sobre a frase [de guitarra] comigo mesmo, porque naquela época eu era bem severo (risos). Até então, por ter mudado para um estilo diferente, era difícil fazer, mas não era feito ‘de forma dolorosa’. Ao invés disso, era divertido, né. Na frase que o Uruha vinha produzindo, eu pensava comigo mesmo de que jeito iria tocar, pois para mim era algo novo.

Uruha: As coisas que eu e o Aoi vínhamos produzindo, fazíamos nos divertindo. Eu sugeria frases, o Aoi costumava entrar com nuance e essa mudança era interessante. Sempre que a ouvia, emendava minha própria parte. Nos divertíamos muito com isso.

Quando vocês dois discutiam detalhadamente, não produziam as partes complexas da guitarra?

Uruha: Não era assim. No começo parecia que combinávamos como um 'estrondo', então se o equilíbrio estava errado, olhava para a atitude do companheiro e colocava tudo em ordem. Tínhamos que nos ajustar, pois se um se perdia o outro teria de acompanhar (sorriso).

(continua...)

compartilhe nas redes sociais

Comente com o Facebook:

4 comentários:

Shiroki_D disse...

ah cara *o*
Vc's não sabem o quanto eu tava esperando uma tradução do guitar book, seriously

Obrigada Ruby e Luna <3 [de novo xDDD]

'Aoi: É mesmo. Falei algo como “Se der tudo certo, foi porque estava com o meu wireless” (risos).'
Aoi sempre modesto u.ú -q

Enfim, vou esperar as outras partes ansiosamente <3

Ruby disse...

Comentário da Shiroki_D *-*

Haha!

Ai, eu também tava curiosa com essa entrevista, eu sou totalmente fanática pelos dois, adoro ler qualquer coisa sobre o trabalho dos dois juntos ;_; E sou suspeita pra falar deles hehehe.

Obrigada por comentar <333

Shiroki_D disse...

xDDDD LOL não precisa agradecer xD

É, eu tbm sou meio suspeita pra falar mas o guitar book me deixou ansiosa sim, até tbm pela parte que eles citam álbuns de outras bandas e afins

O Guitar Book todo parece ser muito interessante

e entrevista dos dois é sempre amor <3

Luna disse...

O guitarbook é sim bem interessante^^. Eu ainda não terminei de passar ele pro pc, mas pelo o que eu vi ele é todo muito amor ;o;.

Obrigada pelo comentário ^^ espero que continue acompanhando :D!

Ele é bem grande, diferente do meu tempo livre huuhehuhue. Por isso estou me esforçando pra conseguir fazer essa tradução em um tempo bom ^^.

:D

Postar um comentário