16.1.12

Uruha & Aoi GUITAR BOOK: Aoi impression (Parte 2)

A fallensublimity@LJ traduziu a 2ª parte da entrevista com o Aoi que está no Uruha & Aoi GUITAR BOOK, lançado no dia 10/12/2010 no Japão.
Na segunda parte ele fala sobre quando ele começou a tocar no estilo visual kei e no Gazette e sobre algumas experiências que ele teve como guitarrista. 

A GMaiden, que está fazendo um ótimo trabalho com as traduções, também traduziu a segunda parte para o Português. Leia abaixo:

Uruha & Aoi GUITAR BOOK 
Aoi impression (Parte 2)
Lançamento da revista: 10/12/2010

Tradução Japonês-Inglês: fallensublimity
Tradução Inglês-Português: GMaiden

-----

(Leia a Parte 1 aqui)

(...)

- Você experimentou algo como um choque cultural quando você começou a tocar em uma banda de Visual Kei?

Aoi: Primeiro nós falamos sobre colocar maquiagem. "Por mim tudo bem, mas quem vai me maquiar?" (risos) Mas aí eu pensei "Tanto faz, vou fazer sozinho", então eu fui à uma loja-de-100-yens [como aquelas lojas onde todos os produtos são 1,99] e comprei alguns cosméticos. Eu e aquela moça [em que ele ficou na casa] praticamos colocando maquiagem juntos (risos). E enquanto isso, o marido dela ficava rindo de mim (risos). O local onde fizemos um live pela primeira vez era próximo ao Hide Museum [museu dedicado ao falecido guitarrista do X-JAPAN] em Yokosuka. Depois disso nós tocamos várias vezes em Tsurumi-ward. O que me lembra que foi mais ou menos naquela época que eu finalmente me acostumei com o Visual Kei. Quando nós estávamos tocando em Tsurumi, havia uma banda que destruía a bateria. Eu pensei "Visual Kei é tããããão assustador!" (risos). Em outros gêneros geralmente não há bandas que façam esse tipo de coisa, certo? "Visual Kei é um mundo perigoso", essa foi a primeira coisa que eu pensei na hora.

- Acho que você teve uma impressão do tipo "Eu não estou exatamente dentro do Visual Kei".

Aoi: Não, eu não tive. Naquela hora eu estava tentando me tornar alguém que, você poderia dizer, pertencesse a uma típica banda de Visual Kei.

Em caso de falha, eu não faço nada além de praticar, para que eu não repita o mesmo erro novamente.

- Que tipo de guitarra você estava usando quando tocava naquela banda?

Aoi: Uma ESP da MA series. Eu a comprei usando um tremendo empréstimo (risos). Depois de um tempo eu também comprei uma ESP Forest. Bem no início do the GazettE eu sempre usava a Forest.

- Aquela com o captador Humbucker, certo?! Vocês usavam fitas demo na sua primeira banda?

Aoi: Usávamos. No entanto, eram gravações feitas em casa usando um MTR [Gravador multicanal]. A primeira vez que eu entrei em estúdio e gravei algo foi quando eu já estava no the GazettE.

-Falando em MTRs, você percebeu várias coisas sobre o seu jeito de tocar quando gravou a si mesmo, não é?

Aoi: No início, sim. Eu fiquei muito comovido quando gravei algo pela primeira vez. Eu pensei "Minha guitarra se tornou parte da composição musical!". No entanto, quando essa empolgação passou depois de gravar várias vezes, eu comecei a pensar "O que diabos é isso?! Eu tenho que fazer mais apropriadamente..." e assim por diante. Mas, bem, eu deveria provavelmente dizer que a minha banda era amadora. Ok, o the GazettE também era igual no início, claro (risos). O vocalista da minha primeira banda acabou não sendo tão bom. E então, ao mesmo tempo em que eu estava tocando naquela banda, conheci os outros membros do the GazettE.

- Então foi depois que você entrou no the GazettE que a sua consciência mudou para o sentimento de que você era um guitarrista?

Aoi: Foi. Colocando de outro jeito, depois que eu comecei no the GazettE que eu pensei que teria que melhorar minhas habilidades em todos os aspectos. A primeira coisa que eu notei quando entrei no the GazettE foi que eu não conseguia fazer cutting technique [técnica de palhetagem que deixa o som mais "abafado", mais ou menos como no começo de Smells Like Teen Spirit]. Como eu disse antes, eu realmente gostava de riffs rápidos, então eu apenas pulava todos os "x" [que representam o abafamento. Veja um exemplo dos "x" aqui.] que estavam na partitura. (risos)

- As partes com a "batida", huh?

Aoi: Isso. Naquela época eu ficava tipo "O que é isso? Eu não consigo pegar o ritmo" (risos). Então eu não faria o cutting. A primeira fita demo que o Uruha trouxe foi com um arranjo para guitarras gêmeas. Quando eu escutei, fiquei meio "Desculpe, eu não consigo tocar isso" (risos). Então, quando eu começei no the GazettE, praticar cutting foi meu primeiro desafio.

- É mesmo? E ainda assim você usa cutting o tempo todo hoje em dia.

Aoi: Bem, foi algo terrível pra mim antes. Além disso, nosso manager era uma pessoa muito rigorosa. Ele ficava constantemente me criticando e me instigando a melhorar. Embora eu fosse rebelde em relação a ele, eu estive praticando muito. Era assim.

- Então ao invés de começar a praticar de repente por causa de algum grande incidente, melhorar foi algo que sempre esteve na sua mente, certo?

Aoi: Isso. Porque eu não fico pessimista em caso de falhas, ou melhor, eu não desisto. Quando eu falhei em algo, não fiz nada além de praticar, então eu não irei repetir o mesmo erro novamente.

- E até agora você nunca pensou "Talvez eu devesse parar de tocar guitarra..."?

Aoi: Bem, não, só uma vez. Na verdade não faz muito tempo. Ano passado [2009] quando eu estava tocando no Saitama Super Arena, parei de tocar durante uma música e pensei "É isso, estou desistindo".

- O que? Houve mesmo um incidente como esse?

Aoi: Bem, ok, embora eu tenha dito que eu desisti, na verdade eu apenas parei de tocar. Como eu devo dizer, foi mais como... aconteceu meio que do nada. Há músicas que eu e Uruha ambos tocamos no violão. Eu não consigo lembrar muito bem, mas enquanto eu estava tocando, de repente eu pensei "Argh, estou errando!". E então eu parei de tocar, mesmo que a culpa não tenha sido somente dos erros. Sem nem tentar encobrí-los, eu apenas parei de tocar. Embora eu estivesse tocando como de costume até então...

- Deve ter sido um choque mesmo que você tenha parado por vontade própria, certo?

Aoi: Foi um choque terrível. Ao ponto que eu pensei "Eu vou morrer...". Eu não tinha tido uma experiência como aquela até então, nem uma vez. Mesmo que eu estivesse nervosamente cometendo erros enquanto tocava e pensava "Aaah, estou bagunçando tudo", eu geralmente continuava tocando. Pensei que não havia possibilidades de eu sequer parar de tocar. Porém, antes de cometer aqueles erros, eu já havia desistido. Uma coisa como essa nunca aconteceu na minha vida, somente aquela vez. Nós paramos de tocar aquela música por um tempo, porque eu estava absolutamente traumatizado. E como esperado, eu fiquei bastante incomodado com isso por um tempo.

- Deve ter sido um momento parecido com entrar em uma turbulência, certo? A propósito, como você segura sua palheta?

Aoi: Normalmente, com o indicador e o polegar. No entanto, dependendo da frase [musical] a posição muda, mas basicamente eu seguro de modo que a ponta [da palheta] fique bem saliente. Eu acho que é um jeito bem comum.

- E não mudou desde que você começou a tocar guitarra?

Aoi: Não, porque eu sou uma pessoa que dá importância a aparência externa quando assumo algo. No início eu tinha uma manual de guitarra que eu usava como referência, porque coisas como "Segurar a palheta assim, colocar sua mão desse jeito..." e assim por diante, estavam escritas lá. Porém, na verdade eu não conseguia tocar direito quando eu segurava a palheta como dizia o manual, então eu deixei o livro de lado e toquei com um estilo que fosse mais natural pra mim. E fiquei preso a ele desde então.

... continua.

compartilhe nas redes sociais

Comente com o Facebook:

3 comentários:

ShiniZ disse...

Nossa, que tenso sobre isso. Mas da pra entender perfeitamente essas coisas, tem horas que a gente fica meio que sem ação, e prefere largar as coisas de lado, pelo menos naquele momento.

E como ele disse "mesmo que a culpa não tenha sido somente dos erros." devia ta passando por alguma coisa bem chata também.

Qual música será que eles estavam tocando? humm...

Mas =] ele superou menino forte o/

*Vai ter a tradução da parte do Uruha?Ou já teve, ou sei lá D:*

Obrigada pela tradução GMaiden
E obrigada a Ruby tmb!

Shiroki_D disse...

As crises do Aoi me perturbam, mesmo que seja algo simples @.@ e nem é a primeira vez que ele fala algo parecido sobre o live do DIM SCENE D:
Mas deixando isso um pouco de lado ashuasuas

Fico imaginando ele e a garota se maquiando junto, deve ter sido engraçado msm xD mas tadinho tbm

e waaah, a citação ao hide museum <3

Muito obrigada por traduzir GMaiden e a ruby por postar /o/

Anônimo disse...

Gente seja lá em que musica ele errou eu não percebi! Então mesmo tendo ficado tão perturbado ele disfarçou bem xD

Mas eu sei como, já aconteceu comigo e eu quase chorei na hora, é horrivel y-y. Mas tudo deu certo no final e é isso q importa, ainda bem q ele não desistiu! D:

Idem Shiroki XD fico imaginando a cara do marido da garota, vendo ela e o Aoi se maquiando-q

Ah o Aoi é tão fofo, ele é tão humilde e sincero *-*, adoro saber mais sobre ele, obrigada GMaiden por traduzir e Ruby por postar pra nós <3

(Iris)

Postar um comentário