13.12.11

Uruha & Aoi GUITAR BOOK: Aoi impression (Parte 1)

A fallensublimity traduziu parte da entrevista que o Aoi concedeu ao Uruha & Aoi GUITAR BOOK, lançado no dia 10/12/2010 no Japão.
Nessa primeira parte, Aoi fala sobre sua infância, focando em como ele se tornou um guitarrista.

A tradução para o Português foi feita pela GMaiden, agradeço muito a ela pela ajuda!

Confiram abaixo:

Uruha & Aoi GUITAR BOOK 
Aoi impression (Parte 1)
Lançamento da revista: 10/12/2010

Tradução Japonês-Inglês: fallensublimity
Tradução Inglês-Português: GMaiden

-----

Aoi, o guitarrista cativante com sua brilhante
performance e jeito de tocar,
está revertendo a imagem de
"guitarrista base" que nós conhecíamos até agora.
Descobrindo sua profundidade
através dessa entrevista sobre sua história pessoal.

Recentemente, eu realmente estou gostando de tocar.
Estou pensando, eu finalmente posso começar a tocar?

- Que tipo de garoto você era quando criança?

Aoi: Eu era um garoto comum que jogava baseball. E isso é tudo, meio que... não tem nada pra falar em especial (risos). Foi durante o 6° ano do primário [não sei exatemente que idade seria] que eu me tornei ciente sobre a música, o rock e assim por diante.

- O que desencadeou isso? [o interesse pela música]

Aoi: Eu tenho um irmão seis anos mais velho, que tocava guitarra. Quando eu estava no 6° ano, meu irmão tocava junto com seus amigos e eu queria entrar naquele meio também. Parecia ser muito divertido e te dava um "ar" de adulto. E eu continuei me perguntando o que eu poderia fazer para entrar naquele meio. Então eu simplesmente achei que deveria tentar tocar guitarra. Meio que "O que é isso? É legal. Muito legal!!" (risos). Meu irmão ocupava um local parecido com um depósito em casa, então eu podia ouvir a música ressoando. Mas honestamente, eu não entendia o charme daquela música (risos). No entanto, eu achei que eles estavam fazendo algo realmente divertido. Isso não é um mundo completamente diferente de baseball junior? De qualquer jeito, baseball era difícil (risos). [E a música] Não era nada além de prática. Era fascinante que meu irmão e seus amigos estavam se divertindo tanto juntos.

- Você estava fascinado por um mundo que era exatamente o contrário dos esportes, por assim dizer, certo? Que tipo de música o seu irmão e os amigos dele estavam tocando?

Aoi: Hmm, qual era? Eles eram pessoas grosseiras, mas... me desculpe, eu não consigo lembrar (risos). Mas definitivamente não era Visual Kei (risos).

- Oh, sério? (risos) Você começou a tocar guitarra a partir daquele momento?

Aoi: Comecei. Foi na época que eu estava no 6° ano que eu toquei em uma guitarra. Comparado com outras pessoas, foi bem cedo, não foi? Mas apesar disso, eu era meio que... inútil [para tocar]. (risos)

- Oh, que isso (risos). Quando você começou a tocar guitarra, havia algum guitarrista por quem você era fascinado?

Aoi: Não havia algum específico. Meu irmão estava escutando música ocidental assim como música japonesa, e em casa havia alguns CDs do X JAPAN, Seikima-II e outros, mas eu não conhecia os gêneros naquele tempo. Artistas ocidentais e japoneses tinham cabelos longos, e pra mim pareciam todos iguais (risos). Então eu não fui atraído por um gênero específico, eu escutava qualquer coisa que eu achasse que a guitarra era legal.

- Você pegou a guitarra do seu irmão emprestado?

Aoi: Havia uma gut guitar [não há uma tradução certa, mas é o violão acústico normal antigo, que tinha pequenas diferenças estruturais, só que as cordas eram feitas com intestino de animais, depois foram trocadas pela corda tradicional de nylon] em casa naquele tempo... que eu acho que meu irmão deve ter pego da escola dele, e era nisso que eu estava tocando (risos). Já que era uma gut guitar, o braço [A escala, onde as cordas passam, o local usado para fazer os acordes] era muito espesso, e a distância entre as cordas e o braço era muito grande, eu fiquei "Que diabos é isso?!" (risos). Se você a virasse, eu acho que parecia com o Obocchama-kun [no caso, o formato da guitarra parecia com Obocchama-kun que era o personagem principal do anime com o mesmo nome]. Eu continuei tocando guitarra desesperadamente até o ensino fundamental [o sentido aqui é da segunda parte do ensino fundamental que vai da 5° série a 8°]. Eu conseguia tocar a introdução de Kurenai [do X JAPAN] nela [guitarra], depois de tudo! (risos) Eu melhorei muito, sabe (risos).

- Foi um pouco depois que você se tornou capaz de tocar guitarra, certo?

Aoi: Foi durante o outono do 1° ano na escola secundária [uns 10/11 anos] que eu comecei a tocar a guitarra elétrica. Meu irmão se graduou na escola e decidiu sair de casa para procurar por trabalho. Ou seja, não havia mais uma guitarra em casa. Aquilo foi ruim (risos). Eu perguntei "Você vai me dar a guitarra?" e meu irmão disse "Aah, tudo bem". No entanto, embora ele tenha prometido que daria pra mim, ele foi embora e a levou com ele. Eu reclamei para a minha mãe e enquanto chorava, eu disse: "Meu irmão quebrou a promessa" (risos). Então minha mãe ligou para o meu irmão e ele me mandou a guitarra. No entanto, nenhum som saía dela (risos).

- Oh, seu irmão...

Aoi: Ele é horrível, não é?! (risos) Eu estava realmente ansioso para tocá-la, então eu já havia comprado um amplificador que podia ser usado à bateria, enquanto esperava. Nós estávamos no interior e não havia lojas de música por perto, então meus pais me levaram até uma (risos). E mesmo assim nenhum som saía dela (risos). Meu irmão foi repreendido como um louco (risos). Foi como: "Seu pequeno irmão do ensino secundário até juntou dinheiro sozinho e comprou um amplificador! O que você estava pensando, seu...". Embora eu tivesse ganhado a guitarra, minha mãe estava irritada (risos). Eu queria uma guitarra nova, mas eu não tinha mais dinheiro. Eu tive que esperar até o Ano Novo pelo otoshidama [presente em dinheiro dado às crianças no Ano Novo] e foi quando eu pude começar a tocar a guitarra elétrica.

- Como você praticava naquela época?

Aoi: Há esse tipo de livros que incluem letras e cifras de várias músicas, certo? Eu tinha alguns, e outros que explicavam como fazer os acordes. Se eu achasse qualquer música que eu conhecesse, eu tentava tocar. Então, tinha também Kurenai do X JAPAN que eu estava fazendo cover desde o começo... mas quando eu digo "cover", quero dizer só a introdução. Eu não conseguia tocar como eu tocava quando entrei em uma banda pela primeira vez! (risos) Antes de entrar em uma banda, eu fiquei praticando arpeggios [técnica de que consiste em tocar as notas de um acorde de formas separadas, tocando uma por vez, como em uma harpa, só que na guitarra essas notas são tocadas em uma velocidade bem alta] arduamente.

- O que foi mais difícil de aprender quando você começou a tocar guitarra?

Aoi: Tudo, exceto os acordes.

- É isso? Você não teve a chamada "frustração do acorde de Fá"? [a maioria das pessoas que começam a tocar sentem maior dificuldade na execução do acorde de Fá, pelo uso de pestanas]

Aoi: Não, não tive. Portanto eu não sei o que é "tropeçar" [falhar] nos acordes com pestanas [erro que acontece com iniciantes]. Mas eu acho que eu também não consegui tocá-los apropriadamente bem no começo. Há coisas que você percebe que consegue fazer de imediato, não é?! Foi assim.

- Entendo. Quando você disse "Tudo, exceto os acordes" você estava se referindo aos riffs, solos de guitarras e essas coisas?

Aoi: Isso. Desde o começo, várias vezes eu queria praticá-los, mas não importava o que eu fizesse, não saía som [da guitarra]. E mesmo se eu os tocasse com o som natural da guitarra [sem ligá-la ao amplificador], não ficava legal, certo? (risos). Eu continuei pensando... a imagem é totalmente diferente (risos). Mas depois do Ano Novo quando eu estava no 1° ano da secundária, eu tinha a minha própria guitarra e pude praticar riffs e solos.

- A primeira guitarra que você escolheu sozinho, que modelo ela era?

Aoi: Uma Stratocaster, com um Humbucker PU [captador] ligado a ela. Um conjunto barato (risos). A guitarra que o meu irmão me deu era uma Stratocaster, então eu tinha uma imagem tipo "Uma guitarra deve ser uma Stratocaster, eu acho". Naquele tempo, quando eu via o SEIKIMA-II [banda japonesa de heavy metal], etc., Luke [ex-guitarrista do SEIKIMA-II] estava usando uma Stratocaster também. Naquela época eu também pensava que modelos "deformados" [guitarras com formas estranhas] eram ruins e erradas (risos). Mas eu não penso mais assim.

Eu realmente queria me tornar um profissional.
Eu acho que posso fazer muito mais.

- Então isso quer dizer que depois que você finalmente conseguiu produzir algum som, você foi capaz de tocar riffs e solos de guitarra também, então?

Aoi: Isso. No entanto, eu não conseguia tocar solos de guitarra. Olhando pra trás agora, eles eram solos bem fáceis, ao ponto que me faz pensar "Eu não conseguia tocar [uma coisa tão fácil]? (risos). Mas... como esperado, é Yngwie Malmsteen [considerado por muitos o guitarrista mais rápido do mundo] e afins, então não tem como evitar (risos). "O que eu estava pensando [por tentar tocar algo tão difícil]?" e assim por diante. Então eu toquei bastante X JAPAN. Eu queria completar Kurenai, então eu pratiquei como louco. Naquela época todos ao meu redor estavam fazendo covers do X JAPAN. As músicas deles são legais e ser capaz de tocá-las é bem divertido. Devo dizer que eles me introduziram à guitarra do rock? Eles foram uma introdução difícil, no entanto. Mas ao mesmo tempo, se eu era capaz de tocar algo deles, então eu era capaz de dizer "Eu toco guitarra", foi o que eu senti.

- Sempre há artistas como esses em cada geração, não há? Falando sobre o tempo que você começou a tocar guitarra, o comprimento da alça [que apoia a guitarra] era importante, não era?!

Aoi: Era (risos). Quando eu comecei a tocar, achei que deveria ser colocada o mais baixo possível. Se a guitarra estiver colocada de forma alta, faz você parecer algum cara velho, não? (risos)

- Parece (risos). Mas pensando nisso de novo, quase não existem guitarristas que tocam [guitarra com a alça] bem baixa, não é?

Aoi: Isso. É por isso que eu não me influencio por ninguém. Eu só senti que seria mais legal se eu a deixasse baixa. Mas quando eu comecei a tocar, eu estava segurando-a na altura normal. Foi quando eu vim para Tokyo e entrei em uma banda profissional que eu comecei a segurá-la embaixo. E de repente eu não conseguia tocar (risos).

❝Pareceu que o estilo do Helloween se tornou meu próprio sangue❞

- Todos tinham problemas com isso, huh? (risos) Quando você começou uma banda?

Aoi: A primeira vez que eu formei uma banda foi quando eu estava no 3° ano da secundária [13/14 anos]. Na sencudária você tinha que entrar em clubes de atividades, portanto as pessoas não tinham energia sobrando para fazer outras coisas (risos). Minha escola secundária era uma que estava se destacando nos esportes e coisas assim, então os garotos que eram bons em esportes eram vistos como os mais legais. Aqueles que compraram guitarras na escola foram só eu e mais uma ou duas pessoas. Havia poucas pessoas interessadas em bandas. Portanto até o meu 3° ano da secundária, bandas não eram populares, então eu voltava para casa e... tocava guitarra sozinho quando eu queria. Não era só eu, os outros garotos que tocavam guitarra pensavam o mesmo. Eu queria estar em uma banda. Mas durante o verão do meu 3° ano não havia clubes de atividades, e já havia sido quase decidido que eu iria para o ensino médio [o equivalente a high school]. Eu escolhi uma escola de segunda categoria, então eu poderia entrar sem ter que estudar (risos). E por causa disso eu tinha muito tempo livre. Então, as pessoas ao meu redor finalmente começaram a se tornar conscientes sobre a música. Eles levavam revistas sobre músicas para a escola, e os garotos que pensavam "bandas são legais!" começaram a aparecer. E eu ficava "Ah, eu conheço essa revista, eu já li" (risos). Então eu disse aos garotos que começaram a se interessar por bandas "Nós temos um depósito em casa, nós podemos colocar nossos instrumentos lá e começar uma banda!" (risos). Então eu reuni meus amigos e nós cinco formamos uma banda.

- Que tipo de música vocês tocavam?

Aoi: LUNA SEA era popular. A partitura de "TRUE BLUE" estava impressa em uma das revistas sobre música, então nós a fizemos primeiro. No entanto, foi muito difícil. As frases [trechos] eram bem difíceis de tocar. E naquela época, eu pensei que tocar riffs abafados [Como no começo dessa música do link. Abafa as cordas com uma das mãos ou dedos enquanto palheta normalmente] era absolutamente legal, então eu me senti inquieto. É por isso que só começamos a copiar músicas de outras bandas depois de termos completado esta. Como BOOWY, ZIGGY [ambas são antigas bandas japonesas] e assim por diante.

- Eh? Esse tipo de bandas? A geração não era diferente?

Aoi: Era (risos). Mas os CDs que os caras que falaram que queriam estar em uma banda compravam eram todos antigos (risos). E enquanto nós estávamos fazendo músicas como essas, as pessoas ao nosso redor tocavam Sex Pistols (risos). Eu considerava Sex Pistols muito estiloso, sabe.

- Ouvindo a guitarra do Aoi, podemos sentir um gosto de metal também, e sobre isso?

Aoi: Eu amo Metal. Meu irmão era assim também, então eu escutava heavy metal estrangeiro, hard rock, etc, quase o tempo todo na secundária. Metallica era indispensável. Mesmo o primeiro álbum estrangeiro que eu comprei foi um do Metallica, eu acho. Eu também gostava de Extreme e assim por diante. Eu realmente amo o Nuno Bettencourt [guitarrista do Extreme]. Mas eu não consigo tocar como ele (risos). Havia um garoto na escola que tocava guitarra muito bem e nós dois amávamos o Helloween [banda alemã de power metal]. Nós tocávamos os CDs do Helloween e tocávamos juntos em harmonia. Estão são as raízes de guitarras duplas da minha vida, sabe. Helloween foi ótimo. Nós até fizemos guitarras gêmeas [ao invés de um fazer a base e o outro os solos, os dois assumem a função principal, quase como uma batalha de guitarras]. Nós éramos felizes juntos, huh? (risos). Pareceu que o estilo do Helloween se tornou meu próprio sangue.


❝Eu peguei o ônibus noturno e vim para Tokyo apenas com uma mochila e minha guitarra❞

- Pode-se dizer que suas raízes estão no Metal, certo? Quando foi que você começou a tocar com uma banda de Visual Kei?

Aoi: Foi depois que eu vim para Tokyo. Eu não fazia Visual Kei quando eu estava na minha cidade, e eu nem planejava fazer. Eu não estava interessado nisso. Ou melhor, eu nem sabia o que o "Visual Kei" era em primeiro lugar.

- Eu pensei que você tinha se mudado para Tokyo junto com seus amigos da banda que você formou na sua cidade.

Aoi: Não, não foi assim. Eu saí da banda ao mesmo tempo em que eu me graduei na secundária. Eu queria ir a uma escola de música em Tokyo depois que eu me graduasse no ensino médio, mas meus pais me disseram que eu não podia. Meu sonho foi desfeito e eu iria apenas sair com meus amigos sem ir à escola (risos). Eu estava tocando guitarra naquela época, mas ela me impedia de ir para a escola e me divertir com os meus amigos, então no final eu pensei "Eu não preciso mais dessa guitarra...", então eu parei por um tempo. Eu realmente trabalhei duro durante a secundária, entregando jornais e assim por diante, pra conseguir aquela guitarra, mas depois eu comecei a negar, sem fazer muito esforço. No entanto, havia um violão que meu irmão havia deixado, então eu sentava em casa sozinho e tocava músicas do Yuzu, 19, etc, e cantava junto. Um dia eu estava assistindo um programa tarde da noite onde bandas apareciam e eu pensei "O que há com eles? Eles são tão fracos". A verdade é que eu queria me tornar um profissional. Mas estava além de mim, foi por isso que eu fiquei irritado. Eu senti inveja e pensei "Eles aparecem na TV mesmo estando em um nível tão baixo". Eu quis ir para Tokyo então. Eu achava que podia fazer muito mais. Mas naquele tempo eu tinha acabado de conseguir trabalhar e eu nem tinha dinheiro para... ir para Tokyo (risos). De qualquer forma, eu decidi ir.

- O que? Você veio aleatoriamente para Tokyo sozinho?

Aoi: Sim. Eu estou vivendo o impulso-do-momento (risos). Eu vim para Tokyo sem hesitar. Eu apenas peguei uma grande mochila e minha guitarra e pulei em um ônibus noturno (risos). Eu cheguei em Tokyo, mas quanto a um lugar para ficar... (risos). Eu não tinha conhecidos também. E não esqueça, eu tinha chegado de manhã cedo em Ikebukuro [distrito comercial e de entretenimento, que recebe muitas pessoas todo dia]. Haviam tantos corvos [nas ruas], eu pensei "O que há de errado com essa cidade?". Havia um garoto no ônibus que eu fiquei amigo e ele me perguntou "O que você vai fazer a partir de agora?", eu fiquei meio que "Não faço idéia" (risos). Eu lembro de ter bebido café com ele e depois cada um seguiu seu caminho.

- Você veio pra cá sem ao menos decidir onde iria morar... você logo alugou um apartamento?

Aoi: Não. Naquela época eu só tinha comigo 50.000 yen [aproximadamente 1.157,00 reais] (risos). Foi o suficiente só para as despesas de viagens e comida. Eu me perguntava o que fazer. Primeiramente eu tinha que achar um trabalho, certo? Já que eu havia trabalhado como entregador de jornais, pensei em fazer a mesma coisa novamente, mas então eu decidi não fazer isso, como era de se esperar. Eu trouxe memórias dolorosas de volta, então vou parar (risos). Então, houve um cliente no izakaya [um tipo de bar japonês que também serve alimentos para acompanhar as bebidas] que eu trabalhava na minha cidade natal que disse: "Minha irmã está morando em Tokyo, então se você precisar de qualquer coisa me ligue". Eu liguei pra ele, e ele disse: "Vá para a casa da minha irmã por enquanto". Ele até me disse onde as chaves ficavam. Eu realmente não consigo acreditar quando eu penso agora, mas eu entrei na casa de um estranho e dormi no kotatsu [aquela mesa baixa onde eles se sentam para aquecer os pés no inverno] (risos). Quando eu acordei todos estavam de volta (risos). Eu pensei "Em que estado [situação] eu estou?" (risos).

❝Quando eu comecei a tocar no the GazettE, aprender a fazer a técnica "cutting" [é uma técnica de guitarra] foi meu primeiro desafio.❞

- É quase como um mangá (risos). Sob essas circunstâncias você não era capaz de começar uma banda, eu acho, certo?

Aoi: Foi meio ano depois [de chegar em Tokyo] que eu comecei a tocar em uma banda. Aquela moça [irmã do cliente] até me apresentou um trabalho. Então eu decidi começar uma banda enquanto trabalhava meio período, mas nunca tinha ido a uma casa de shows antes. Porque não há casa de shows no interior! (risos) No entanto, eu não sabia como reunir membros. Eu apenas checava em revistas [de música, se haviam] membros para recrutar e assim por diante (risos). Eu pensei que era assim que todos encontravam membros (risos). Então eu vi um e a banda que eu resolvi experimentar era de Visual-Kei. Eu fiquei tipo "Eu não sei o que é Visual Kei, mas tem problema?" (risos). "Eu tenho uma guitarra e logo poderei tocar em lives", foi o que eu pensei.

... continua.

compartilhe nas redes sociais

Comente com o Facebook:

5 comentários:

Shiroki_D disse...

*o*~ <3
Entrevista muito boa e a tradução está ótima tbm /o/

E fico tipo 'okay \face' quando o Aoi fala de pestanas nessa entrevista, pestanas são o hell u_ú

e taaanta coisa ele falou do X xD Luna tbm, mas mais X
E Helloween é um pouco estranho pra mim, por motivos pessoais -Q \random Mas é uma ótima banda tbm ;3~ Nem é a primeira entrevista que o Aoi os cita LOL

Essa entrevista, algumas coisas, lembra bastante da entrevista que o Aoi fez com a MusicQ13 em 2008 xD

Enfim, obrigada pela tradução e vou esperar as próximas partes xD

Kakasha disse...

nossa.. que lindo *o*
que entrevista maravilhosa..imaginei tudinho o que o aoi passou..nossa deve ter sido assustador.
Pode parecer besteira mas ja pensei em fzr algo assim.. mas sou muito azarada e sempre volto atras T_T
que coragem..é tao legal saber dessas coisas..sobre a vida dele..
quase chorei em algumas partes T_T tava tentando ler uns dias atras essa entrevista em ingles cm o google mas nem entendia muita coisa.. mas agora <3
~tipica historia de um rockeiro mesmo <3
daria um bom filme.. xD
adoro quando o aoi fala do X ;U; <3
e helloween..meldels..minha epoca de 8 serie era tao viciada..princ 'as long as i fall' considerava trilha sonora da minha vida ;u; que saudades..
adorei a entrevista..agora,ansiosa pra continuaçao *-*
inspiração..idolo..heroi..
~Orgulho eterno desse cara ♥

muito Obrigada GMaiden!
Ruby*u*

Raii disse...

'Já que eu havia trabalhado como entregador de jornais, pensei em fazer a mesma coisa novamente, mas então eu decidi não fazer isso, como era de se esperar. Eu trouxe memórias dolorosas de volta, então vou parar (risos). '

Sabe não me senti bem em ler isso.

'Eu realmente não consigo acreditar quando eu penso agora, mas eu entrei na casa de um estranho e dormi no kotatsu (risos). Quando eu acordei todos estavam de volta (risos). Eu pensei "Em que estado [situação] eu estou?" (risos).'

HASHAHSAHSHAHSHAHSAHSHASAS ELE NÃO EXISTE!
Ele entrou na casa de alguém praticamente sem permissão.


Enfim, eu amo ler as entrevistas do Aoi-shi, e essa está sendo especialmente interessante já que eu não tinha lido tantos detalhes da vida pessoal dele antes.
E olha uma pessoa como ele é admiravél, seguir um sonho assim é algo que poucas pessoas tem coragem de fazer, mesmo eu achando que tenha sido muito imprudente ele ter saido de Mie sem sequer saber onde ficaria em Tokyo, mais no fim ele está bem, e é isso que importa xD
E sim a história dele é bem própria de um roqueiro <3
Mais pela primeira vez ele não disse que surfava hashahsashashs

Obrigada Ruby e GMaiden, esperaremos ansiosos pela continuação.

Biianca disse...

Adorei a entrevista! É, a vida do Aoi pelo jeito não foi fácil... eu amooo essas histórias em que eles contam sobre a vida deles! E saber dessa do Aoi me fez sentir realmente especial <3
Eu sinto muito orgulho dele, de verdade... Será que vai falar da história do Uruha também? *O* ansiosíssima pra ler a continuação!
Muito obrigada GMaiden e Ruby! ^^

GMaiden disse...

Eu amei essa entrevista também.

Amo quando centra na história dele como guitarrista... as técnicas, as influências. Ver ele falando do Helloween, Metallica, Nuno e do Malmsteen me deixa muuuuito feliz.

A história dele para ter uma banda é muito bonita, é isso mesmo que vocês já disseram: um verdadeiro rockstar!

E por nada gente. ;)

Postar um comentário