3.2.13

[Tradução] ROCK AND READ 043 Kai (Parte 1)

O Livejournal yuma-tama traduziu uma parte da entrevista do Kai que saiu na revista ROCK AND READ 043, lançada no dia 29/08/2012. Até agora ela traduziu 3 partes da entrevista para o Inglês e disse que ao todo seriam 8 partes.

Abaixo você poderá ler a primeira parte traduzida para o Português, onde Kai fala sobre como o the GazettE tem lidado com os conflitos que aparecem dentro da banda.

Kai ROCK AND READ 043 - Entrevista (Parte 1)
(Parte 1 | Parte 2 | Parte 3)

Tradução Japonês-Inglês: yuma-tama
Tradução Inglês-Português: Ruby (Denise)

-----

O the GazettE lançou o tão esperado novo álbum “DIVISION” no mesmo dia em que essa edição foi lançada, em 29 de Agosto. Celebrando o décimo ano desde sua formação, embora tenha sido lançado como uma produção chocante, como foi a estrada para o Kai até agora? Quando eles estavam em situações críticas, como ele as superou e como eles têm continuado para melhorar os extremos? Kai investigou o futuro do the GazettE enquanto fazia uma crítica a isso de seu ponto de vista.

Perfil
Nascido em 28 de Outubro, Sangue Tipo B. Se tornou um membro do the GazettE em Fevereiro de 2003, banda que foi formada em 2002. Os outros membros são RUKI (Vo), Uruha (G), Aoi (G) e REITA (Ba). Lançaram o seu novo álbum “DIVISION” no dia 29 de Agosto. A edição limitada contém um CD e um DVD chamados FRAGMENT [VEIN] e FRAGMENT [ARTERY]. Sua turnê “GROAN OF DIPLOSOMIA 01” começa no Yokosuka Fine Arts Arena no dia 8 de Outubro (Segunda) (A venda dos ingressos começa no dia 8 de Setembro).


-- Esse ano é o décimo ano do the GazettE e faz nove anos desde que você se tornou um membro da banda. Quando você entrou para o the GazettE, você esperava continuar por tanto tempo?

Kai: Eu não pensei nisso. Eu tinha tantas coisas para fazer, que estavam bem na minha frente, então eu estava focado em concluí-las. Não havia tempo para pensar nisso e antes que eu percebesse eu cheguei até aqui.

-- Eu entendo que você tem uma atitude estóica quando está em ação. Embora eu tenha certeza de que muitas coisas aconteceram nesses 10 anos, há alguma coisa que você lembra que te marcou, quando você olha pra trás? 

Kai: Embora eu possa rir disso agora, tiveram vezes em que a banda esteve em situações críticas. Claro que esses eventos ficariam em minha memória.

-- Eh? É bastante surpreendente que o the GazettE tenha tido experiências assim. 

Kai: Sim, nós tivemos esses momentos. A origem disso é a oposição contra a opinião de um membro da banda. Isso se aplica a todos os membros da banda. Sempre que nós argumentamos sobre nossas visões, nós não cedemos. Mesmo se estiver estabelecido, o resultado é que ambas as pessoas não cedem. Ao invés de um deles ceder e se ajustar ao argumento pacificamente, o que acontece é que os dois se acalmam sem se submeter (risos). Os nossos conflitos na banda normalmente são assim. Há muitos casos onde ambos os argumentos soam bem quando olhamos a disputa de fora. Você também percebe que a outra parte não está errada. Mas a distância do tema nunca se estreita e um dos lados nunca volta atrás dizendo “Ok, eu entendi.” Houve muitas vezes onde a situação ficou realmente ruim.

-- O que vocês fazem durante essas situações?

Kai: Às vezes nós discutimos o problema a tempo e solucionamos, também tem vezes em que nós não conseguimos fazer nada a respeito. É aí que entra um terceiro, que sugere algo tipo “Então que tal isso?”, ou encontra uma maneira que satisfaça ambas as pessoas. É assim que nós superamos essas coisas. Mas como ninguém cede, não fica nenhum ressentimento. Além disso, no fim das contas nós todos amamos a banda. Ela é parte de nós, então está tudo bem. Se acontecer de nós perdermos o sentimento de completarmos as coisas, então nada poderá nos ajudar. Mas não importa o que aconteça, o sentimento de querer continuar a banda está dentro de todos, então nunca aconteceu nada devastador.

-- Isso nos diz que os membros se respeitam e aceitam cada um. Você tem que pensar, “Estou furioso, mas o que ele está dizendo está certo”, ou então você não conseguiria ir adiante.

Kai: É verdade. Além disso, nós temos que ter os mesmos valores básicos, ou isso não seria verdade. Eu sinto que a banda é abençoada com isso.

-- E pode-se dizer que desacordos provam que a banda é saudável. Especialmente já que existem outras bandas que nem se incomodam em encarar os outros membros.

Kai: Não tem nada disso no caso do the GazettE. Nós somos muito abertos uns com os outros e nós expressamos as nossas opiniões apropriadamente. Mas em troca, nós nunca cedemos (risos). De qualquer forma, eu sou quem acaba cedendo (risos).

-- Não, eu acho que a sua existência, que ajuda as coisas a fluirem bem, é muito grande para a banda.

Kai: Eu me pergunto se seja assim. Eu mesmo não sei (risos). Sempre que eu tento entender a visão do meu oponente, eu quase sempre penso um ou dois passos à frente da minha suposição. Por causa disso, eu consigo entender o que ele está dizendo, ou eu consigo considerar isso com uma idéia do tipo “Bem, se é desse jeito, é mais assim” e ao invés de ceder, eu penso “Eu entendi agora”. Então mais do que sucumbir, eu aceito a opinião do meu oponente.

-- Pode-se dizer que essa postura é a imagem de um líder único. Ao invés de arrastar a banda com um braço forte, você é do tipo que cria a harmonia dentro da banda.

Kai: Muitas pessoas me dizem isso. Mas eu mesmo não sei sobre isso (risos). Bem, o the GazettE vai ficar bem com um líder como eu. Agora chegou em um ponto onde nós não acreditaríamos se alguém saísse da banda e nós continuássemos com algo do tipo “Então nós seremos o the GazettE com esses quatro membros.”, ou apenas aceitando “o the GazettE terá só quatro pessoas”, isso não tem nada a ver com a gente. Se alguém saísse, então o the GazettE acabaria pra sempre. Já que todos nós entendemos isso, eu não acho que nós faríamos algo precipitado.

[continua...]

compartilhe nas redes sociais

Comente com o Facebook:

6 comentários:

Anna disse...

''Se alguém saísse, então o the GazettE acabaria pra sempre.''

Lembrei daquela vez que o Aoi comentou que quase saiu... obrigada pro ter reconsiderado x) Apesar de ser algo sempre possível de acontecer, eu não consigo imaginar como ficaria se o the GazettE acabasse de repente assim...embora eu ache que seja a coisa mais sensata a se fazer,pq não dá, não tem como outra pessoa entrar e ''substituir'' o que saiu, nem os outros membros e nem os fãs iam aceitar isso bem; por isso sou mt agradecida por ainda poder acompanhar a banda <3

Shiniz disse...

Hohohoh rindo do jeito que o Kai conta sobre as tretas da banda, mais divertido ainda é porque ninguém cede 8D deve ser uma guerrinha bem gostosa de se assistir, mesmo que chegue em um ponto que ela fique tensa. No entanto... eu costumo mesmo rir dessas coisas XD Muito me lembram umas pessoas que eu conheço por aqui~ (brigas divertidas~)

Esperando o resto da tradução <3

Brends disse...

"Além disso, nós temos que ter os mesmos valores básicos, ou isso não seria verdade. Eu sinto que a banda é abençoada com isso."

Achei essa parte muito bonita.
Acredito que as brigas só são coisas do momento e que apesar de nenhum lado ceder, no fim eles sempre dão um jeito. E eu amo isso neles.
Essa entrevista me lembrou do Aoi também. Realmente não imagino nenhum deles saindo ou sendo trocados, é bem como o Kai disse.

Obrigada pela tradução. <3

Dai ; Uhura disse...

Nem senti um friozinho na barriga, antes mesmo de ler a entrevista, ao saber sobre o tema.

Assuntos delicados como esse, de 'situação críticas', apesar de sempre amedrontar essa medrosa aqui, é saudável.
Digo isso por que é bom saber do que acontece com eles, principalmente os lados ruins, pois bons são mais comuns.

Mesmo não sendo citado nomes, minha mente ficava gritando dois nomes específicos. Entretanto, vejo esse fato como o pouco conhecimento que pude ter sobre alguma discussão.
Ainda sim, consegui ver o que o Kai falava como algo amplo e não especificando.

Deus, como amo o Kai. <3 Kai é o pacificador para mim, esse fofo!
Sua postura como líder é deveras admirável.
E eu concordo plenamente com o que ele disse, não conseguiria ver o "the GazettE" sem um dos membros continuar.

Que membros mais dotados de personalidades, fortes, nós temos nessa banda!

Obrigado pela tradução e post, Ruby-san! <3

Dai

Lee disse...

Gostei da primeira parte da entrevista. É um tema complicado mas é bom saber como os meninos tem opiniões fortes e que apesar de tudo as coisas acabam bem e eles continuam apaixonados pela banda.
Adoro ler as entrevistas do Kai :33 Me indentifico demais com as coisas que ele diz.
Obrigada pela tradução ! ^^

Mira disse...

Em qualquer projecto que seja feito em grupo existem discussões sobre as opiniões. É algo natural, agora o que nem todas as pessoas conseguem é aceitar e respeitar o outro, e eu acho que isso acontece com eles.

Podem ter opiniões diferentes, não cederem e tudo o resto, mas no fim os 5 juntos acabam por arranjar uma forma de resolver as divergências e conseguir chegar a uma opinião final cujos resultados sejam bons.

Gostei muito desta parte.
Também acho que se saísse um membro e entrasse outro a banda não seria a mesma coisa... ia faltar a alma do membro que saísse.

Obrigado Ruby!!

Postar um comentário